Menu fechado

Jesus, o Pão da vida

15/11/2021 | Kevin Tehlen (obreiro), Mensagens

Texto bíblico básico: João 6.25-36

É fato bem conhecido que Jesus era rejeitado pelos líderes judeus porque ele os confrontava com a hipocrisia deles. As multidões do povo, porém, seguiam-no atraídos pelos muitos milagres que fazia:

Notícias sobre ele se espalharam por toda a Síria, e o povo lhe trouxe todos os que estavam padecendo vários males e tormentos: endemoninhados, epilépticos e paralíticos; e ele os curou. .Grandes multidões o seguiam, vindas da Galileia, Decápolis, Jerusalém, Judéia e da região do outro lado do Jordão (Mt 4.24-25).

Enquanto estava em Jerusalém, na festa da Páscoa, muitos viram os sinais miraculosos que ele estava realizando e creram em seu nome (Jo 2.23).

Entretanto, ainda não reconheciam quem Jesus era realmente – o Messias.

Depois de ver o sinal miraculoso que Jesus tinha realizado (a multiplicação de pães e peixes), o povo começou a dizer: “Sem dúvida este é o Profeta que devia vir ao mundo” (Jo 6.14).

Referiam-se com isso a uma promessa que Deus fizera por intermédio de Moisés:

O Senhor, o seu Deus, levantará no meio de seus próprios irmãos um profeta como eu; ouçam-no (Dt 18.15).

Seria então Jesus uma espécie de segundo Moisés? Itamir Neves comenta a esse respeito:

Jesus, na mente deles, deveria ser um rei e conquistador, alguém que mudaria o status de Israel, de uma nação submetida a uma potência mundial. Alguém que libertaria o destino de ser um país ocupado e que o tornaria em conquistador de outros países.

No episódio da leitura de hoje, porém, seus próprios seguidores começaram a abandoná-lo.

Portanto, o povo o seguia não por aquilo que ele era, mas por aquilo que lhes oferecia. E nós? Somos leais a Jesus por quê? O que importa realmente?

1. O que é importante?

O texto do nosso estudo de hoje mostra que o povo procurava Jesus principalmente por curiosidade – não tinha noção do que importava, e Jesus teve de corrigir o foco deles:

Quando o encontraram do outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Mestre, quando chegaste aqui?” .Jesus respondeu: “A verdade é que vocês estão me procurando não porque viram os sinais miraculosos, mas porque comeram os pães e ficaram satisfeitos. .Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará. Deus, o Pai, nele colocou o seu selo de aprovação (Jo 6.25-27).

William Barclay comenta a esse respeito:

Vocês não podem pensar em sua alma porque estão ocupados com seu estômago.

Outro exemplo semelhante à atitude desse povo é o da mulher samaritana em João 4, que se interessou por Jesus diante da perspectiva de ganhar dele “água viva” que lhe pouparia o trabalho de ira até o poço buscar água. Só isso.

Fica novamente a pergunta para nós: O que buscamos realmente quando procuramos Jesus? Quais são nossas prioridades?

2. O que precisamos fazer?

Foi o que o povo perguntou a Jesus, mas diante da sua resposta só souberam cobrar mais milagres como aquele do pão, A resposta de Jesus, porém, foi que ele mesmo é o “pão da vida”. O pão é um alimento básico para a sobrevivência, e a fé em Jesus é o que nos provê vida espiritual:

Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que testemunham a meu respeito; contudo, vocês, não querem vir a mim para terem vida (Jo 5.39-40).

A vontade de meu Pai é que todo o que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia (Jo 6.40).

Então lhe perguntaram: “O que precisamos fazer para realizar as obras que Deus requer?” .Jesus respondeu: “A obra de Deus é esta: crer naquele que ele enviou”. Então lhe perguntaram: “Que sinal miraculoso mostrarás para que o vejamos e creiamos em ti? Que farás? (Jo 6.28-30).

3. Qual a sua decisão?

O povo que só seguia Jesus em busca de milagres materiais começou a abandoná-lo. Apenas seus 12 discípulos reconheceram o que importava:

Daquela hora em diante, muitos dos seus discípulos voltaram atrás e deixaram de segui-lo. .Jesus perguntou aos doze: “Vocês também não querem ir?” .Simão Pedro lhe respondeu: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. .Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus” (Jo 6.66-69).

A questão toda então é: Neste relato, quem é você? Um discípulo temporário ou um discípulo genuíno?

Vale a pena aqui meditar sobre esta observação de John Charles Ryle:

Os homens podem ter sentimentos, desejos, convicções, resoluções, esperanças e até sofrimentos na vivência religiosa e, ainda assim, jamais experimentar a graça salvadora de Deus. Eles podem ter corrido bem por um tempo, mas depois voltam para o mundo e se tornam como Demas, Judas Iscariotes e a mulher de Ló.

Agora tudo depende da sua resposta a isso.

Kevin Tehlen – domingo, 14/11/2021


Programações

DOMINGO

EBD (adultos e crianças) - 9h
Informações

Culto - 10h30
Transmissão ao vivo: YouTube

QUARTA

Devocional - 19h30
YouTube

SÁBADO

Jovens e adolescentes - 19h
Informações: Instagram

No nosso canal do YouTube, você encontrará diversos outros materiais, como séries de mensagens, músicas dos coros e aulas de Escola Bíblica para adultos e crianças.